FMI reduz a previsão de crescimento do Brasil em 2018 e 2019
< Voltar para notícias
202 pessoas já leram essa notícia  

FMI reduz a previsão de crescimento do Brasil em 2018 e 2019

Publicado em 10/10/2018 , por Ricardo Leopoldo

1539052543628.jpg

As perspectivas para a economia mundial também foram reduzidas pelo Fundo Monetário Internacional que realiza em Bali sua reunião anual com o Banco Mundial

De acordo com o Fundo, apesar da profunda recessão, o sistema financeiro no Brasil mostrou ser bem resiliente, embora destacou que ainda falta o avanço da concessão de crédito, sobretudo para empresas não financeiras. O FMI apontou que, apesar de reformas que o País adotou para fortalecer a supervisão e regulação deste setor da economia, há vulnerabilidades, como altas exposições a devedores e também em relação a empréstimos estruturados.

Na avaliação do FMI, medidas adotadas para facilitar o comércio internacional e mudanças estruturais na legislação trabalhista e crédito subsidiado são positivas. "Mas mais reformas são necessárias para incrementar a produtividade, incluindo a melhora da intermediação financeira, investimento em infraestrutura e implementar medidas contra lavagem de dinheiro e corrupção."

Economia mundial

O economista-chefe do FMI e diretor do Departamento de Pesquisas Econômicas, Maurice Obstfeld, afirmou que o nível de atividade mundial estabilizou-se no patamar de 3,7% de expansão neste ano, marca que deve ser repetida em 2019, e “há nuvens no horizonte”, referindo-se ao aumento de riscos para a expansão global. Ele mencionou a redução de velocidade de crescimento na zona do euro no primeiro semestre de 2018 e o aumento das tensões comerciais entre os governos americano e chinês, com imposição recíproca de tarifas sobre importados.

“A disputa comercial entre os EUA e a China pode romper cadeias de suprimentos globais”, apontou Obstfeld, ressaltando que já há redução de investimentos em máquinas pelo mundo, com a elevação de incertezas sobre o cenário econômico global no médio prazo.

As tensões comerciais entre Washington e Pequim foram o principal fator que levou o FMI a reduzir as previsões de alta do PIB dos EUA e da China em 0,2 ponto porcentual cada um para 2019. A projeção para a economia americana foi reduzida de 2,7% para 2,5% e para o país asiático baixou de 6,4% para 6,2%. Para o Fundo, as reduções de estimativas foram relevantes para reduzir sua previsão para a expansão mundial no próximo ano, de 3,9% para 3,7%.  “Por outro lado, uma solução para as disputas comerciais entre EUA e a China pode elevar as projeções do PIB mundial”, destacou Obstfeld, sem especificar o ano.

Fonte: Estadão - 09/10/2018

202 pessoas já leram essa notícia  

Notícias

Ver mais notícias

Perguntas e Respostas

Ver mais perguntas e respostas