Dicas que valem dinheiro
< Voltar para notícias
338 pessoas já leram essa notícia  

Dicas que valem dinheiro

Publicado em 14/07/2020

Aconselhamentos isentos que apenas orientam e não vendem nada para ninguém

Há dez anos, quando esta coluna de finanças pessoais começou, havia um pequeno quadro com dicas que valem dinheiro. Fiquei com saudade, e o artigo de hoje reúne recomendações sobre orçamento e investimentos.

Estamos em julho de 2020, adaptando a vida e as finanças para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. Perda total ou parcial de renda atinge milhões de pessoas que estão reavaliando negócios, estilo de vida e hábitos de consumo coerentes com a nova realidade.

A maioria das dicas e recomendações é perene, não depende do contexto social, político e econômico.

Algumas, relativas a investimentos, são adequadas para o momento atual.

Orçamento
– Controle suas despesas, estabeleça prioridades e limites. Nunca gaste mais do que ganha.
– Pague a você em primeiro lugar, não espere sobrar para investir em você, nos seus projetos de vida, não vai sobrar.
– Cuidar do seu futuro sem deixar de viver o presente é um desafio. Não será fácil, mas é possível.

Encontre o equilíbrio para cuidar do seu presente e do seu futuro.
– Se precisar de crédito, não use o cheque especial nem parcele a fatura do cartão de crédito. Busque alternativas de crédito mais baratas, como o crédito consignado.
– Antes de assumir uma dívida, faça um bom planejamento para definir como, com que dinheiro vai pagar, que despesas serão reduzidas ou eliminadas para encaixar o novo compromisso.
– Quando classificar suas despesas, tais como moradia, alimentação, saúde, não cometa o erro de criar uma classe denominada “cartão de crédito”. Ele é apenas um meio de pagamento. Lance cada uma das despesas efetuadas na categoria à qual pertence. 

Investimentos
– Invista sempre com um propósito. Definir a razão de investir apoia a decisão de poupar e ajuda a escolher o investimento mais adequado.
– Respeite o seu perfil de investidor ciente de que não existe investimento sem risco. Não assuma riscos se não tiver conhecimento e não estiver disposto a colocar parte ou todo o seu capital em risco.
– Procure se educar e ampliar seus conhecimentos. Assim, terá capacidade de discernimento e senso crítico para avaliar o que serve e o que não serve para você.
– Não mexa na poupança antiga (depósitos feitos até 4 de maio de 2012), o rendimento é de 6,17% ao ano líquido!
– A poupança nova, que paga 70% da Selic, perdeu competitividade, mas ainda é melhor do que muitos fundos e planos com taxa de administração elevada.
– Não mexa no FGTS. A rentabilidade líquida de 3% ao ano é ótima nos tempos atuais, fica ainda melhor quando acrescida da distribuição de lucros; estimativa de 4,5% ao ano em 2020.
– Diversifique sem sair da renda fixa, se for esse o seu perfil. Mantenha em taxa pós-fixada (Selic ou CDI) somente o montante da reserva financeira para imprevistos e emergências.
– Tesouro Direto, custo de 0,25% ao ano, ainda é uma boa alternativa, principalmente se for adequado investir em Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA+, de médio e longo prazos.
– Reduza o custo de investir; pesquise e renegocie taxa de administração de fundos e planos de previdência. Se o custo do seu investimento for superior a 0,25% ao ano, identifique com clareza o valor agregado. Se não houver, evite.

Fonte: Folha Online - 12/07/2020

338 pessoas já leram essa notícia  

Notícias

Ver mais notícias

Perguntas e Respostas

Ver mais perguntas e respostas