Celular é sonho de consumo e ferramenta de trabalho
< Voltar para notícias
179 pessoas já leram essa notícia  

Celular é sonho de consumo e ferramenta de trabalho

Publicado em 18/03/2019 , por Fernando Scheller e Mônica Scaramuzzo

Consumidor se afastadas marcas ‘talebans’e investe em pesquisaantes de tomar decisãosobre aquisições

O império das marcas “talebans” ficou para trás no Brasil. Isso porque, no caso dos equipamentos de tecnologia, um aparelho de boa qualidade, que tenha assistência técnica, não é apenas sonho de consumo. Com a emergência da economia compartilhada, o celular de último tipo pode ser também um instrumento de geração de renda. É um movimento que as duas líderes em smartphones no País – a Samsung e a Motorola, que concentram 78% das vendas no País – já perceberam.

“As marcas menores não tinham suporte ao cliente. Então, o que a pessoa podia fazer? A única alternativa era jogar fora”, resume Juliana Pereira Mott, diretora de marketing da Motorola Brasil. Para o cliente que não quer arriscar ficar na mão, mas não pode arcar com os custos de um produto topo de linha, a fabricante que pertence à chinesa Lenovo lançou linhas como Moto E e Moto G, que podem custar menos de R$ 1 mil. “Esse consumidor está mais empoderado. Então, é preciso entender para quais atividades ele usa o celular.”

De acordo com Loredana Sarcinella, diretora sênior de marketing da Samsung, o consumidor da classe C conhece melhor as últimas tecnologias do que os dos estratos de renda mais alta. “Eles são os que conhecem e pesquisam mais sobre os aparelhos, para garantir que o dinheiro que estão investindo valerá a pena”, diz a executiva. E a orientação mais recente tem sido comprar aparelhos um pouco mais caros, tanto que o preço médio por unidade vendida passa de R$ 1 mil.”

Pesquisa

O consumidor que está em busca de eletrodomésticos ou aparelhos de tecnologia está disposto a gastar a sola de sapato para fazer o melhor negócio. É um percurso que a técnica em enfermagem Charleane Macedo, de 33 anos, faz neste momento. Grávida e prestes a se casar, ela está mobiliando sua casa no momento.

Demitida em maio do ano passado por causa de um corte de custos na empresa onde trabalhava, Charleane hoje faz trabalhos esporádicos como fotógrafa de eventos. E conta que fez uma espécie de “ajuste fiscal” – hoje, guarda tudo o que ganha com os bicos em festas para os eletrodomésticos da casa nova. O futuro marido, que trabalha como auxiliar de produção em uma fábrica, arca com as contas do dia a dia.

Apesar do orçamento limitado, Charleane vai comprar, de uma só vez, geladeira, máquina de lavar e micro-ondas. “Estou pesquisando os preços pela internet antes de fechar negócio.”

Algumas empresas, no entanto, ainda veem a disposição para a retomada do consumo com cautela. É o caso da Whirlpool (dona das marcas Brastemp, Consul e Kitchen Aid). João Carlos Brega, presidente da companhia na América Latina, vê nas vendas atuais mais um movimento de reposição de produtos de linha branca do que uma compra planejada.

Cauteloso, o executivo acredita que só vai ser possível sentir a reação da economia a partir do terceiro trimestre. A retomada, segundo ele, depende da condução das reformas, sobretudo da Previdência. “Com a taxa de desemprego alta, as vendas de bens duráveis sofrem”, disse. “A compra planejada de produtos de linha branca virá a partir de dados concretos de retomada da economia”.

Crescimento à base de ‘custo-benefício’

A Seara, marca da JBS, viu sua participação de mercado se ampliar anos ao apostar as fichas na classe C. Os produtos da marca, que estavam presentes em 60% dos domicílios da classe média em 2014, viu essa fatia saltar para 77%, no ano passado, segundo José Cirilo, diretor executivo de marketing da Seara.

“Nos últimos anos, a Seara fez trabalho de crescimento e está avançando em distribuição”, diz o executivo. “Sempre pontuamos que a qualidade de nossos produtos iria surpreender. Em momentos de crise, há mudança por produtos de valores mais baixos, mas o consumidor não abre mão da qualidade”, afirmou Cirilo.

O presidente do Instituto Locomotiva, Renato Meirelles, diz que marcas alternativas às líderes de mercado conseguiram mostrar um custo-benefício tão positivo para os consumidores que agora os produtos “premium” podem ter dificuldade para reconquistar o consumidor mesmo em um cenário de crescimento da renda.

Fonte: Estadão - 17/03/2019

179 pessoas já leram essa notícia  

Notícias

Ver mais notícias

Perguntas e Respostas

Ver mais perguntas e respostas