Quais são os problemas existentes nestes contratos?
< Voltar para Dívidas - Financiamentos
2532 pessoas já leram essa notícia  

Quais são os problemas existentes nestes contratos?

O maior problema enfrentado nestes tipos de contratos é causado pelos juros e outros encargos abusivos cobrados no valor das prestações, os quais muitas vezes tornam as dívidas impagáveis.

Também é comum a seguinte prática: a financeira, intencionalmente, coloca a data de vencimento da parcela entre os dias 15 e 27 do mês pois sabe que o cliente recebe sempre entre o dia 30 e o 5º dia útil. Assim, quando ocorre o vencimento da parcela, o consumidor ainda não recebeu o salário, vindo a pagá-la com alguns dias de atraso, o que facilita o endividamento, eis que sempre é cobrada com acréscimo de multas, juros e outros encargos.

Veja um exemplo: O Sr. Fulano necessitava comprar uma geladeira nova para sua casa. Ao ir a uma loja com sua esposa, optaram por comprar um modelo que custava R$ 1.400,00. Como o Sr. Fulano não tinha o dinheiro suficiente para comprar à vista, resolveu fazer um financiamento no banco onde possui conta, ficando responsável pelo pagamento do valor financiado em 9 parcelas de R$ 291,32.

Compare os valores:

Valor financiado: R$ 1.400,00

Nº de Parcelas: 9

Valor da Parcela: R$ 291,32

Total a ser pago: R$ 2.621,88

Note-se que ao final o Sr. Fulano terá pago um valor 87,27% maior que o valor financiado. Por outro lado, se o Sr. Fulano tivesse deixado este valor na caderneta de poupança, calculando um rendimento médio de 0,8% ao mês, após este mesmo período, teria um total de R$ 1.456,90.

O que também é comum de ocorrer são as chamadas renegociações “forçadas” de contratos de financiamento, uma situação extremamente abusiva. Este fato surge quando o banco que concede o empréstimo, vendo que terá dificuldades em cobrar o cliente devedor, propõe uma renegociação da dívida. Nesta renegociação, há um alongamento do prazo de pagamento e incidem novas taxas de juros, acrescidas de outros encargos, tudo como se o cliente estivesse fazendo um novo empréstimo.

O consumidor, já endividado e com medo de ver seu nome inscrito nos órgãos de proteção ao crédito, não vê outra saída se não a de aceitar as condições impostas pelo banco neste “novo” contrato.

Desta forma, surge aquilo que se chama popularmente de formação de uma "bola de neve", pois a dívida não para de aumentar, transformando os consumidores endividados em verdadeiros escravos dos bancos, comprometendo seus salários e prejudicando o sustendo da família. Há muitos casos de pessoas que perdem seus bens, inclusive a própria residência, no pagamento de dívidas que com o tempo vão se tornando eternas e impagáveis.

Nestes casos, há cobrança de juros sobre juros ou contagem de juros capitalizados mensalmente.

Assim, a melhor maneira para o consumidor se proteger deste problema é fazer uso consciente dos financiamentos, preferindo sempre comprar tudo à vista e barganhando ao máximo os descontos. Pedir descontos jamais deve ser considerado vergonhoso pois é uma prática utilizada em todo o mundo.

Por fim, o consumidor pode ingressar com a chamada ação revisional de contrato para limitar os juros cobrados as taxas médias de juros divulgada pelo Banco Central em seu site.

2532 pessoas já leram essa notícia  

Notícias

Ver mais notícias

Perguntas e Respostas

Ver mais perguntas e respostas