Plataforma de cashback dá até 4% de desconto nas compras para o Dia das Crianças
< Voltar para notícias
126 pessoas já leram essa notícia  

Plataforma de cashback dá até 4% de desconto nas compras para o Dia das Crianças

Publicado em 13/10/2017

Lojas como Rihappy, Walmart, Americanas e Carrefour chegam a oferecer 4% de volta na plataforma

Para os pais que vão ter de comprar o presente em cima da hora, a plataforma Méliuz é uma opção para fugir dos preços altos e conseguir um dinheirinho de volta. Na data comemorativa, lojas chegam a oferecer 4% de volta na plataforma, aliviando o bolso na hora de dar o presente e ajudando na pesquisa pelo menor valor.

No cashback, que não é sinônimo de desconto, o usuário recebe uma parcela do valor que gastou na forma de bônus em reais ou dinheiro em conta corrente. Nas compras virtuais, por exemplo, o cliente acessa primeiro a plataforma de cashback e, de lá, é redirecionado para o site da loja que preferir. Já no comércio tradicional, o cliente paga com uma maquininha de cartão específica. O modelo de negócios é simples: por atrair o cliente à loja, os sites de cashback recebem uma comissão, pois funcionam como uma plataforma de anúncio. Parte desse valor, então, é repassado para o consumidor.

As compras dos brinquedos podem ser realizadas pelo site ou pelo app do programa. Para o presente das crianças, o Méliuz conta com parceiros como Rihappy, Walmart, Americanas, Carrefour, dentre outros grandes do mercado eletrônico.

Pesquisa. Para se ter uma ideia dos preços e da diferença, pesquisa comparativa feita pelo Procon-SP, entre os dias 21 e 21 de setembro, revela que a diferença no preço de um produto chegou a 144,71%. O maior preço encontrado jogo Grow foi de R$ $ 219,99 (zona Sul) e o menor, R$ 89,90 (zona Norte), uma diferença de R$ 130,09 em valor absoluto.

O Procon-SP orienta o consumidor a fazer uma criteriosa pesquisa e avaliar não somente o preço, mas também a idade, o interesse e a habilidade da criança e, se possível dar preferência a brinquedos educativos.

O Órgão alerta também que os produtos precisam conter informações adequadas, claras e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, origem, composição, preço e garantia.



Na embalagem deve constar a indicação da idade ou faixa etária, instruções de uso e de montagem, descrição exata dos itens inseridos, identificação do fabricante, eventuais riscos que possam apresentar à criança e o selo de certificação do Inmetro.

O órgão também orienta os consumidores a priorizarem o pagamento à vista, evitando parcelamentos com juros, que podem pesar no orçamento.

Fonte: Estadão - 11/10/2017

126 pessoas já leram essa notícia  

Notícias

Ver mais notícias

Perguntas e Respostas

Ver mais perguntas e respostas